O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) conta com diversos artigos e incisos relacionados a acidentes automotivos. Nestas leis, é possível encontrar informações sobre quem é o responsável pelo incidente, que deve, portanto, arcar com os custos. Mas e quando o acidente envolve um carro de empresa, como funciona? É o que vamos mostrar neste artigo.

Veículo de empresa com frota particular

Quando um funcionário bate o carro da empresa que tem sua própria frota, geralmente, é a firma que deve assumir os custos do acidente. Isso porque, por mais que o colaborador seja culpado pelo ocorrido, ele estava a serviço da empresa. Assim, ela é considerada a responsável pelo incidente.

Vale lembrar que, caso seja comprovado dolo (má fé) por parte do funcionário, é permitido que o valor do prejuízo seja descontado de seu salário. No entanto, esta é uma regra geral. Este tipo de regulamento deve ficar devidamente esclarecido nos contratos e políticas internas da empresa.

Veículo de empresa com frota terceirizada

Essa é mais uma vantagem da terceirização de frotas. Afinal, nestes casos, a empresa não precisa se envolver com franquias do seguro automotivo ou arcar com todos os gastos, caso o veículo não seja assegurado. Quando ela terceiriza sua frota, deve pagar apenas o valor da coparticipação nos gastos, sendo um gasto bem mais leve para os cofres da firma.

Outra vantagem é que, dependendo do contrato com a empresa locadora, o motorista se limitará a se identificar como condutor e acompanhar a perícia. Posteriormente, não será necessário ir atrás de todos os trâmites que envolvem o acidente com o carro da empresa. Todo esse trabalho fica por conta da empresa responsável pela terceirização da frota. Assim, o contratante fica livre para continuar com seus trabalhos normalmente, sem precisar se preocupar com todas as burocracias necessárias.

Vale lembrar que a Conte possui assistência 24 horas. Dessa forma, você pode contar com suporte a qualquer hora do dia ou da noite, em casos de acidentes e outras ocorrências!

Procedimentos pós-acidente veicular

Sendo uma colisão com veículo próprio ou um acidente com o carro da empresa, com frota terceirizada ou não, os passos a serem tomados em casos de acidentes são os mesmos. Com o objetivo de sinalizar o incidente para os demais veículos e reduzir os riscos de maiores prejuízos, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) recomenda que sejam tomadas algumas medidas.

Antes de tudo, é necessário conferir se há mortos ou feridos envolvidos no acidente. Se sim, a primeira coisa que deve ser feita é ligar para a Polícia (190) e também para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU – 192).

Enquanto eles se deslocam até o local, devem ser colocadas em prática as noções de primeiros-socorros aprendidas na Autoescola. Lembrando que deixar de prestar socorro a vítimas de acidente é um crime previsto no artigo 135 do Código Penal Brasileiro.

Também é importante que os carros envolvidos no acidente, após a demarcação feita pela autoridade de trânsito, sejam removidos da via, a fim de liberar a circulação local de veículos. Além disso, é imprescindível sinalizar o ocorrido ligando os pisca-alertas dos automóveis e utilizando um triângulo. Vale lembrar que este deve ser colocado a 30 metros do local do acidente, segundo a Resolução 36/98 do Conselho Nacional de Trânsito – Contran.

O acidente com o carro da empresa é uma situação delicada. No entanto, todo o procedimento pode ser simplificado se o veículo for terceirizado. Se você quer saber mais detalhes sobre nossos serviços ou fazer uma cotação para sua empresa, entre em contato conosco!

Join This Conversation